“Vivam as tartaruguinhas!”


Não… esse não é um típico ‘Viva as Tartarugas’. É sim um pedido para que as deixem viver. E como prova disso existem alguns projetos desenvolvidos na Amazônia para que essa espécie tão nossa passa continuar existindo na natureza e não apenas na nossa memória.

Conheci de perto um deles (o Projeto Quelônios da Amazônia) no final de semana passado, na Comunidade Ilha do Chaves, há 1h 40min de barco saindo do porto de Juruti. A comunidade toda é totalmente envolvida e o tema é discutido até em sala de aula. Isso não é pra soar como uma surpresa – porque é também na escola que devem ser ensinados temas importantes para a formação do ser humano – e o convívio harmonico com a fauna e flora é um deles. Principalmente pra quem sobrevive dela , como é o caso da maior parte de comunidades do interior da Amazônia – que muitas vezes chegam a ser confundidos com bichos do mato e esquecidos pelo poder publico.

Voltando às tartaruguinhas:

Em Juruti (PA) o Projeto Quelônios da Amazônia é desenvolvido pelo Ibama (mas até recentemente quem estava a frente do projeto era o ICMbio) em parceria com a Alcoa, Prefeitura de Juruti e Sec. de Meio Ambiente. Quem coordena é a simpatica e dinâmica pedagoga e consultora Cássia Boaventura. A equipe também é formada pelos biólogos Chel Cunha e Kemerson Augusto

De acordo com o Mestre em Ciências do Ambiente e Especialista em Direito Ambiental Giovanni Salera Júnior, o “Projeto Quelônios da Amazônia” já protegeu cerca de 40 milhões de filhotes das diferentes espécies de quelônios, principalmente da tartaruga-da-amazônia, do tracajá e do iaçá, proporcionando o repovoamento e a recuperação das populações naturais dessas espécies.

No final de semana passado foram devolvidas ao Rio Amazonas mais de 3. 500 tartaruguinhas. Foram 3 mil da Ilha do Chaves e quase 500 da Comunidade Santa Terezinha (que fica bem próximo a cidade de Juruti).

Esse final de semana tem mais.

Estaremos indo hoje a noite para a Comunidade do Araça Preto para a soltura de  330 quelônios de duas espécies diferentes ( tracajá e pitiu) que será feito no final da tarde de sabado. O acesso à comunidade é feito de barco (40min) ou carro (50 min).

Até lá!

2 comentários sobre ““Vivam as tartaruguinhas!”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s